O papel do sistema imunitário

O reforço de um sistema imunitário enfraquecido

A imunidade refere-se à capacidade do corpo de manter a sua integridade, reconhecendo e eliminando vários corpos estranhos (micróbios, alérgenos, tecidos estranhos, etc.) que o penetram. É baseado num sistema complexo de diversos órgãos e moléculas que interagem de forma gradual.

Quais são os 6 órgãos do sistema imunitário?

Cabe aos órgãos linfoides garantir em permanência que nenhum elemento estranho venha perturbar a extraordinária harmonia da saúde. Estes órgãos são: a medula óssea, os gânglios linfáticos, o baço, as amígdalas, o timo e o tecido linfático. São eles que desencadeiam as reações do sistema imunitário contra os antigénios.

Qual é o papel do antigénio?

O antigénio é uma substância que é referida como desconhecida pelo sistema imunitário e que vai produzir anticorpos com vista a destrui-lo.

Como se organizam as defesas imunitárias?

O sistema imunitário conta com 3 grandes barreiras, físicas ou celulares – as chamadas linhas de defesa. Cada uma tem as suas próprias características e modos de funcionamento. Podem ser potenciadas por uma alimentação adaptada ou pela ingestão específica de micronutrientes.

1. Proteger a 1.ª linha: a pele e as mucosas

A pele  e as mucosas são a primeira barreira física e natural do sistema imunitário contra os antigénios (bactérias e vírus). Compostas por células epiteliais muito compactadas, essas barreiras não são muito permeáveis. Cabelos, pestanas e secreções corporais formam uma película protetora (sebo, muco nasal, etc.). Alguns dos nossos órgãos (intestino, vagina, trato urinário, sistema respiratório) também possuem uma camada protetora composta por bactérias "boas", comumente conhecidas como flora ou microbiota. Estas bactérias impedem, designadamente, a adesão e o desenvolvimento de agentes patogénicos causadores de doenças. 

Uma pele e mucosas preservadas limitam a penetração de substâncias estranhas. É conveniente ter uma boa higiene, mas sem excessos. A pele possui uma película lipídica protetora, bem como um microbioma, que se fragiliza por lavagens demasiado frequentes. Nas situações normais da vida quotidiana, os sabões neutros são mais adequados do que os sabões desinfetantes. As mucosas do nariz, dos olhos e da boca perdem a sua capacidade protetora em ambientes poluídos (tabaco, COV (Compostos Orgânicos Voláteis), partículas finas dos motores automóveis, poeiras) ou devido a uma hidratação insuficiente. A ventilação das casas, a humidade do ar e as idas à rua estabilizam a desidratação das mucosas do sistema otorrinolaringológico. Plantas como a banana-da-terra, a equinácea, a aquileia e a oliveira têm efeito sobre as vias respiratórias.

Para manter uma flora intestinal diversificada e capaz de se defender contra as agressões externas, pense nos alimentos fermentados, nos probióticos e prebióticos.

2. Ativar a 2.ª linha: a imunidade inata não-específica

Se a primeira barreira for quebrada, o sistema imunitário chama as células imunitárias. Esta imunidade inata é considerada inespecífica, porque intervém da mesma forma, independentemente da agressão.

As respostas imunitárias inatas

São vários os fenómenos que ocorrem:

  • Alguns  glóbulos brancos,  chamados mastócitos, reconhecem o corpo estranho responsável pela agressão e libertam mediadores químicos da inflamação. Estes mediadores permitem a vasodilatação dos vasos sanguíneos e a chegada maciça de glóbulos brancos ao local da infeção, que é acompanhada por uma sensação de calor, vermelhidão, dor e inchaço da pele: esta é a reação inflamatória,
  • Os mediadores químicos que facilitam a circulação dos glóbulos brancos também atrairão fagócitos (neutrófilos e macrófagos polinucleares glóbulos brancos) que destroem corpos estranhos "devorando-os": isto é fagocitose,
  • As células NK ( Natural Killer) também podem intervir, destroem as nossas próprias células infetadas por vírus graças às proteínas, as perforinas, que causam a morte celular.

Numerosos oligoelementos e vitaminas apoiam o sistema imunitário contra os agentes patogénicos. O seu papel é importante, mas muitas vezes ignorado. O zinco, o manganês, o cobre, a vitamina D e a vitamina C, com a sua função antioxidante, contribuem para a sua manutenção. Embora estejam presentes numa dieta equilibrada, podem ser consumidos em excesso pelo organismo durante períodos mais sensíveis.

3. A 3ª linha de defesa: imunidade adaptativa específica

Por vezes, a imunidade inata do organismo não é suficientemente forte para eliminar o agente infeccioso. Esta defesa baseia-se em 2 outros mecanismos imunitários: a imunidade humoral e a imunidade celular. Cada célula do sistema imunitário que representa estes sistemas traz consigo, na sua membrana, um receptor que consegue reconhecer apenas um tipo de agressor. É por isso que é referida como imunidade adaptativa específica.

As respostas imunitárias humorais

O organismo mobiliza os linfócitos B que se dirigem ao foco da infeção. São responsáveis pela produção de anticorpos específicos, moléculas proteicas designadas por imunoglobulinas, cujos níveis são visíveis nas análises séricas sanguíneas.

Os principais anticorpos são:

  • As IgG no sangue e nos tecidos;
  • As IgM, que são as primeiras na frente;
  • As IgA, que são maioritárias nas secreções extracelulares;
  • As IgE, que regulam as reações alérgicas;
  • As IgD, que estão armazenadas no soro e existem em pequenas quantidades.

As defesas imunitárias celulares

São essencialmente representadas pelos linfócitos T, que cooperam com os linfócitos B, e que são particularmente competentes para as defesas contra os agentes patogénicos intracelulares, como os vírus.

A memória imunitária

Os linfócitos B de memória constituem o património do sistema imunitário. Tal como as sentinelas, estas células patrulham a corrente sanguínea, o baço e os gânglios linfáticos. Se acontecer um encontro com um agressor já conhecido, o linfócito B é reativado, transformando-se depois num plasmócito. Estas células imunitárias memorizam as características do agressor, ao contrário dos macrófagos. Assim, são capazes de produzir muito rapidamente os anticorpos adequados para a sua destruição. Durante quanto tempo é que os plasmócitos produzem anticorpos específicos fiáveis? Segundo os investigadores, isso depende da natureza do antigénio: de alguns meses para o coronavírus até uma vida inteira para a febre amarela, por exemplo.

Como reforçar naturalmente o sistema imunitário?

O sistema imunitário pode ser enfraquecido por um estado de saúde frágil ou por uma exposição, ainda que mínima, a agentes patogénicos. Menos conhecida é a influência dos factores psicológicos: o stress, um sono deficiente e o isolamento social, fragilizam as defesas do organismo. De facto, quando  o cérebro está stressado, produz moléculas (adrenalina, cortisol) que são susceptíveis de reduzir a eficácia da resposta imunitária.

É, portanto, essencial garantir a sua serenidade para assegurar respostas imunitárias. Assim sendo, colocamos no programa: uma alimentação equilibrada, exercício físico regular, mas também técnicas como a coerência cardíaca, a meditação, as artes da respiração oriental ou, muito simplesmente, uma caminhada diária!

Vous avez l'air de naviguer depuis la France.
Cliquez ici pour visiter notre site français.